História da Congregação

 

   A experiência espiritual de Madre Claudia encontra o seu ápice e sua expressão na fundação da Escola da Caridade em Anagni-Itália, inaugurada no dia 25 de maio de 1709. 
Claudia com esta Instituição procurou solucionar os problemas das jovens de seu tempo, vítimas da ignorância, do descuido dos pais, mas também da transgressão social, em um período que a mulher desempenhava um papel quase insignificante na sociedade. 
   Envolveu-se em seu projeto, o padre Giovanni Marangoni (seu pai espiritual) que colaborou para que a escola fosse oficialmente colocada sob a proteção Pontificia do Papa Clemente XI, e no 08 de dezembro de 1713 isso se tornou fato.  Claudia havia pensado como um lugar de caridade inspirado na vida e no hábito(veste) da Ordem Terciária Dominicana. 
   Abriu gratuitamente para meninas pobres, método de ensino que era muito sóbrios, mas incisivo: as meninas aprendiam a ler, escrever, costurar, e eram também educadas na religião. Mas a preocupação real de Madre Claudia; era criar uma formação gradual à vida cristã, que é caminho de santidade, em união com Cristo. 
            Claudia tentou implementar isso através do amor a oração, a catequese, mas também através de uma narrativa na vida dos jovens para cimentar as bases da fé cristã, como pontos de referência seguro e necessários para construir um ser em seu agir. 
            Após sua morte, Marangoni (seu pai spiritual) agindo como herdeiro testamentário, se empenhou para conseguir a aprovação de suas primeiras regras. Colaborou principalmente em manter vivo o carisma Claudiano, comunicando-o às suas filhas, interesadas e empenhadas em continuar a Obra educativa de Madre Claudia. Ele trabalhou também para que a Comunidade fosse agregada à Ordem Dominicana, mas pelo fato de que o ramo dominicano feminino era rigorosamente de clausura, tentou com a Ordem Cisterciense, através do Cardeal Giocchino Besozzi (cisterciense) de Santa Cruz em Jerusalém, a Roma. 
Em 1728  a Comunidade foi agregada à Ordem Cisterciense e à Congregação de São Bernardo na Itália, tendo como nome: Oblatas da Sagrada Ordem Cisterciense, abrindo-se como influência a espiritualidade monástica cisterciense. 
   Em 1748 o Papa Bento XIV com a Constituição Militantis Ecclesiae concede à Comunidade o título e os privilégios de "Mosteiro". A Obra então, era de número limitado, até um máximo de 13 oblatas. 
            No início do século XIX, o reconhecimento da utilidade e importância da Obra Pia em Anagni, fez com que a Câmara Municipal contribuisse com uma certa quantidade em dinheiro. As salas de aula foram transferidas para as primeiros salas do Palácio Bonifácio VIII, onde a formação e educação permaneceu continuamente até 1907. Além disso, o Instituto claudiano tornou-se um ponto de referência na cidade, tanto que a passagem da I Legião  italiana em Anagni, maio de 1849, e ainda o herói de dois mundos Giuseppe Garibaldi, coloca o Mosteiro da Caridade sob a especial proteção dos Guerreiros da República. 
            Em 1911 foi inaugurada a Escola Santa Catarina de Sena, com sede no primeiro andar do Palácio Bonifácio VIII e em 1942 foi inaugurada a Creche Claudia de Ângelis. Tanto a Escola quanto a Creche ficaram  fechadas  em 1944, durante a Segunda Guerra Mundial. O ano de 1949 é o mais importante na história recente da Obra: O Bispo Monsenhor João Batista Piasentini proclama o Instituto claudiano como Congregação de direito diocesano, com votos perpétuos e novas constituições. Deste momento em diante, a Congregação foi capaz de expandir-se completamente à vida da Igreja. Se cumpre assim no século XX o mandato de Claudia: “Meu desejo é que este lugar não seja totalmente Mosteiro de clausura... Quero que se compreendam a vida religiosa unida a ativa  para realizar a escola de caridade... Não havendo eu realizado, desejo que vocês possam sair para fazer o serviço de Deus, e também para alargá-lo em todo o mundo”. 

   
Atualmente a Congregação tem várias casas ativas na Itália, Brasil (Claraval-MG) e África (Uganga-Hoima), onde a poderosa mensagem claudiana de amor como meta educativa se espande. 
   Finalmente, dois eventos importantes são lembrados pela  Congregação: 19 de maio de 1968 o Abade Geral D. Kleiner agrega  o Instituto ao interno da Ordem Cisterciense, tornando-o como um membro participante de toda a espiritualidade Cisterciense, e em 1987 após um incansável trabalho da Madre Antonieta Gaeta Congregação é reconhecida como uma Instituição de direito pontifício e, renova mais uma vez as próprias regras e Constituições, foi acolhida plenamente aos ensinamentos do Concílio Vaticano II.