Madre Cláudia
 

   A nossa fundadora Claudia De Ângelis da Cruz nasceu em Anagni  (Frosinone) Itália em 1675.
Teve uma vida muito simples, desprovida de significativos eventos externos, mas cheio de experiências interiores, sob a orientação espiritual de Santa Catarina de Sena. Suas qualidades ao amor, bondade e dedicação se revela presto: sua mãe as vezes até escondia e trancava com chaves algumas coisas domésticas, porque Claudia dava tudo que recebia em mãos para os pobres da cidade.
   Aos 21 anos de idade teve como diretor espiritual, padre Filippo Ciammaricone da Ordem dos Frades Menores.
Em 1697 Claudia ficou gravemente doente: e consagrou todos os seus sofrimentos pela salvação das almas e em seguida recebeu a cura de um modo milagroso.  Após este evento, a vida espiritual de Claudia se intensifica e começa a transfigurar também ao empenho apostólico.Algumas jovens companheiras a seguem e unidas a ela formam uma comunidade de oração.
Claudia, amadurece em capacidade de atração e habilidade com tantas realidades, costumes e virtudes.
   Em 1699 no entanto, o seu irmão Pedro Paulo expressou sua aversão contrária à forma de vida de Claudia, acusando-a de heresia, bruxaria e ainda, dizendo que ela tinha um relacionamento com seu confessor. Como prova maior dessas acusações, tomou todos os seus instrumentos de penitência e os levou diretamente ao Papa, Sua Santidade o Papa Inocêncio XII, que ordenou a entrega imediata de um comissário da Inquisição em Anagni. Mas Claudia foi declarada inocente.  No final daquele ano, na véspera de Natal, ela experimentou um “matrimônio espiritual” com Cristo Jesus e escolheu daquela noite para sempre a vida consagrada, vestindo secretamente um escapulário dominicano sob sua roupa.
   Profundamente enriquecida com extraordinárias graças místicas, permaneceu firme em sua intenção de querer viver uma vida que é intensamente ativa e contemplativa, ao mesmo tempo. 
   No Natal de 1700 ela pensou em  fundar um lugar de Caridade para a glória de Deus e para a educação das meninas, retirando-se de Anagni apenas para organizar e promover o trabalho.
   Passado um período Claudia se afastou da casa dos pais e depois de uma estadia em Marino, a fama de seus dons excepcionais chegou finalmente a Roma. O ambiente era agradável, e se encontra cercada por religiosos capacitados.

Oração para alcançar a graça pela intercessão da Serva de Deus, Madre Claudia.

Senhor Jesus, que disseste de não acender uma lâmpada para colocá-la debaixo de um móvel.  Vos pedimos humildemente por vossa serva Irmã Claudia de Ângelis da Cruz, de transformá-la em uma luz para brilhar na vossa Igreja e conduzir nossos irmãos a unidade da fé, para a glória de Deus Pai.
Vos pedimos humildemente pela sua intercessão a graça que desejamos(pedir a graça).
Vós que sois Deus e vive e reina com o Pai na unidade do Espírito Santo por todos os séculos dos séculos. Amém.


+ Luigi Belloli
Bispo emérito de Anagni-Itália

 


    Em fevereiro de 1706 teve como Diretor Espiritual, o Padre Giovanni Marangoni, o qual a incentivava em seu agir como Fundadora da Obra de Caridade, mantendo-se próximo a ela nos momentos difíceis e decisivos de sua vida até sua morte. Em 25 de maio de 1709 foi inaugurada a Escola Pia da Caridade para mulheres, empregadas pobres em uma casa com a ajuda da Igreja.
   Extremamente frágil em saúde, Claudia passou o último período em Anagni, de novembro de 1713 a maio de 1714, participando da abertura oficial do novo edifício da Obra. 
   Retornando em Roma, morreu no dia 29 de junho de 1715 às 17:00hs, João Marangoni, seu diretor espiritual fechou os seus olhos, dizendo:

"Dorme, ó filha, até que Cristo te desperte"